Fé para uma vida nova

“Nós vimos o Senhor!” Mas ele lhes respondeu: “Se eu não vir em suas mãos a marca dos cravos, se eu não enfiar o meu dedo no lugar dos cravos e não enfiar a minha mão no seu lado, não acreditarei.” (Jo 20,25).
Temos aqui a narrativa do encontro de Tomé com os outros discípulos que tinham encontrado com o Senhor Ressuscitado. Tomé não estava com eles, e ao ouvir seus amigos contar-lhes que tinham visto Jesus, não acreditou neles.
Provavelmente Tomé viveu com Jesus por três anos, viu seus milagres, ouviu suas pregações, mas estava confuso depois de tudo o que tinha visto. Jesus tinha morrido de morte vergonhosa diante de todos! Tomé estava sem esperança, sem perspectiva. Sentia-se só, derrotado, sem fé.
Já paramos para pensar sobre o que há de comum entre nós e Tomé? Tudo parece tão fácil quando decidimos seguir a Jesus. Nos primeiros anos, temos ânimo, força, alegria… Mas depois o nosso desejo de Deus parece enfraquecer. Os acontecimentos, as circunstancias nos ferem e as feridas marcam nossa história. Parece que tudo vai embora. Todo o nosso vigor, ficamos fracos na fé, sem ânimo, vazios e derrotados. Feridos os nossos pés já não suportam caminhar.
Os espinhos do mundo também haviam ferido Tomé marcando-o com a incredulidade. E nós? O que nos afasta do Cristo Ressuscitado? Quais são as nossas chagas que precisamos colocar diante de Cristo para que Ele as toque com suas mãos sagradas? São decepções? Mágoas? Medos? Vícios? Apegos? Mas é por isso mesmo que precisamos de Deus! Esse Deus que carregou com honra nossas dores. Apresente a Ele suas chagas e deixe que as Chagas do Senhor venha curar as suas.
Jesus não nos condena por nossa pouca fé, mas pede-nos que apresentemos a Ele nossas mãos com sinais de fracassos, nossos pés cansados. Jesus se compadece das suas dores. Como Cristo fez com Tomé, deseja fazer conosco: Introduzir nossa mão no seu lado, para sentirmos o seu coração pulsando, embora transpassado. Sim, que sejamos introduzidos por inteiro no coração de Cristo Vivo! Cristo nos acolhe em suas chagas para curar as nossas chagas. E a sua chaga mais íntima, a do Seu coração, é lá que Jesus quer nos introduzir. Depois que Tomé entrou na chaga do coração de Cristo, nada mais o separaria de Deus. Todos as suas fragilidades, ao invés de o afastarem de Deus, o atraíam mais ainda para junto do Senhor, pois só em Deus ele encontrava a Misericórdia de que tanto necessitava. Foi quando sentiu a força da ressurreição que Tomé exclamou explodindo de paz e felicidade: ”Meu Senhor e meu Deus!”- O incrédulo tornou-se um homem de fé! Deus conhecia suas misérias e ele conhecia a misericórdia do Senhor!
Jesus não é indiferente a nós e ao nosso sofrimento. Mas ele vem a nós como o ressuscitado que passou pela Cruz. As chagas de Cristo não nos acusam, mas nos mostram até onde ele foi por amor a nós. Ele nos ama apesar dos nossos pecados. Qual o filho que recebe mais atenção do pai? Não será o enfermo?
Deus nos chama a ter a mesma experiência que Tomé. Ele deseja tocar-nos em seu amor curador. Jesus vitorioso, vencedor do mal, da enfermidade, da dor da depressão venceu e nos comunica sua vitória. Que façamos da oração do salmista a nossa: “Estendeu a mão e agarrou-me, arrancou-me das águas profundas e livrou-me de inimigos poderosos… tirou-me e pôs-me ao largo, libertou-me porque me quer bem.” (Sl 18, 17-20).
Acreditemos Deus tudo pode mudar! E esse mesmo Deus está conosco e caminha ressuscitado, vivo, em nosso meio! Abramos bem o nosso coração, não desistamos de acreditar. A fé move céu, terra e o braço direito de Deus!