“PERMANECEI EM MEU AMOR”

Um fato muito comum entre nós é que sempre começamos algo com muita garra, vontade e motivação. Porém, com o passar do tempo, as coisas não nos motivam mais e acabamos por deixa-las de lado.
Quantos já começaram uma dieta com muita motivação, mas desistiram no meio do caminho. Quantos ainda começaram a caminhar e deixaram. Quantos também não conheceram Jesus em suas vidas, experimentaram do Seu amor e, depois, desistiram… Daí vem o chamado de Deus a PERMANECER. Que verbo denso de sentido esse que o Senhor usa para nos exortar a continuar com Ele. Encontrar-se com o amor de Deus é, digamos assim, fácil. E até um acontecimento prazeroso. No entanto, permanecer faz com que eu não seja o sujeito passivo nessa relação com Deus. Permanecer exige de mim esforço, luta, perseverança. Serei interpelado todos os dias a renovar meu sim e minha decisão de estar com Deus, de permanecer com Ele.
Não é um encontrar-se com Jesus e, daí pra frente, Ele me carregar sem que haja de minha parte uma decisiva participação. De modo algum. Por isso é tão importante permanecer. Só quem permanece pode dar frutos. Caso contrário, Deus terá sido apenas uma fase de nossa história. Uma fase bonita e cheia de belas lembranças, mas apenas uma fase que passou. Porém, para aqueles que permanecem, não obstante as lutas e esforços que terão que enfrentar, esses darão muitos frutos. Frutos abundantes!
Deus entrou na nossa vida para permanecer, para durar e não para ser uma fase. Portanto, é necessário adquirir essa percepção que é preciso perseverar até o fim. Continuar decididamente. Felizes os que não ficam pelo caminho! Felizes os que o tempo, as tribulações e tempestades não conseguiram derrubar. Não porque eram fortes em si mesmos, mas porque permaneceram unidos Àquele que os fortalece.

Ser santo sem deixar de ser jovem

A frase acima nos desafia, pois nos remete a uma idéia muito propagada na sociedade de que santo é coisa de velho e era só nos tempos antigos. Que hoje esse negócio de ser santo não vale à pena e não atrai em nada. Isso porque a idéia de santidade está sempre atrelada à idéia de careta, certinho, pouco popular, enfim tudo o que um jovem não quer ser. Mas a verdade é outra e bem diferente. Primeiro que ser santo não é sinônimo de perfeição, aquele que faz tudo certo, que nunca peca. Santidade nada mais é do que ser feliz. Sim! Ser feliz, de bem com a vida, ter amigos, namorar, etc. Dentro desta concepção arrisco dizer que quanto mais formos santos mais seremos jovens. Teremos mais disposição pra vida. Segundo que foi para a santidade que Deus nos criou. A vontade de Deus e seus planos independem de idade, ela depende é da disponibilidade de cada um, da resposta a este convite que, incansavelmente Deus faz. É desejo Dele e é sempre Ele o mais interessado na nossa felicidade. E você quer ser feliz? E o que você está fazendo para alcançar esta felicidade? Será que você tem procurado por ela no lugar certo e da forma certa? O mundo nos oferece muitos caminhos, que em sua maioria, são bem atraentes, todavia não nos leva uma felicidade verdadeira, mas prazeres momentâneos. Festas, “ficas”, bebidas, drogas, curtição, entre outros programas que os jovens costumam fazer para “aproveitar a vida e a juventude”. E o que fica depois desses “programas”? Será que no outro dia acordo realmente feliz, ou o vazio deixado é bem maior que a alegria da noite passada? Ainda procuramos a felicidade onde ela não está. É em Deus que a felicidade tem sua casa. É somente Nele que ela se encontra plenamente. Ser santo é hoje a necessidade mais profunda do nosso coração, mas nem sempre percebemos isto. Ser de Deus, viver por Ele e para Ele não é perda de tempo é ganhar a salvação, não só a vindoura, mas a salvação aqui mesmo nesta terra. Façamos então a experiência da alegria verdadeira, da alegria em Deus, daquela que não nos priva de ser jovem, ao contrário, aquela que nos rejuvenesce a cada dia. Ser Feliz é ser santo, é ser de Deus.

Viajantes que esquecem sua meta   

Li uma história em que um escritor famoso viajava num trem quando o fiscal lhe pede a passagem. O escritor a procura nos bolsos, mas não o encontra. O fiscal vendo a aflição do homem diz-lhe que está tudo bem, reconhecendo o célebre escritor. “Está bem para você, jovem, – replica o escritor – mas, para mim, como faço agora para saber para onde estou sendo levado?”. A situação do escritor é a mesma que muitos de nós experimentamos. Passamos pelos dias, desinteressados de nos preocupar com o fim último e o porquê da nossa existência. Em nossos dias, perguntamos como: “Que sentido nos faz continuar a correr?”, “O que realmente merece ser tratado como prioridade?”, “Para mim que valor tem a morte?”, estão cada vez mais distantes dos nossos pensamentos. 


Poderíamos dizer que cada vez mais as pessoas são, hoje, “como viajantes que esquecem sua meta”. Se nasce porque  se nasce, se sorri porque se sorri, se chora porque se chora, se morre porque se morre. E tudo acaba ali, em um viver inconcebível e superficial. “Ninguém está mais perdido do que aquele que não sabe onde se encontra: não sabe de onde vem nem para onde vai” (Sta. Faustina) 

 

Você sabe onde se encontra? Sabe de onde vem? Para onde vai? Que representa a morte para você? A morte não é o fim. É só passagem, a porta para uma experiência muito mais intensa com o Amor de Deus. Gosto da seguinte comparação: o bebê quando está na barriga da mãe considera este o melhor lugar para estar. Passar pela estreita porta do nascimento lhe causa dor. Ele chora, mas depois que está nos braços da mãe amamentado por ela e contemplando o seu rosto, seu último pensamento seria o de retornar à barriga da mãe. Assim também nós consideramos esta vida o melhor lugar para estar. Como essa vida é maravilhosa! Que maravilha esse mundo que Deus criou! Passar pela porta estreita da morte nos causa dor. Choramos. Choram os que nos amam. Mas depois que estivermos nos braços de Deus, vivendo com plenitude a amizade iniciada nesta vida, contemplando o Seu rosto, nosso último pensamento será o de retornar para a vida terrena. A experiência com o Amor de Deus nesta vida é o segredo para perdermos o medo da morte. Peça agora a graça de viver essa amizade com Deus. Ele te ama. Deseja que você O encontre. 

 

A amizade iniciada nesta vida cheia de limitações será plena na vida eterna. A voz de Deus será ouvida claramente. O seu rosto será visto plenamente. Poderemos dizer: “Sua voz é cheia de doçura, tudo nele é encanto. Assim é o meu Amado, assim é o meu Amigo.” (Ct 5,16) 

 

Tásia Maria Montenegro Santiago 

Fundadora da Comunidade Católica Rainha da Paz 

Próxima JMJ será no Panamá, em 2019

Neste domingo (31/jul/2016) o Papa Francisco, ao final da JMJ da Cracóvia, anunciou que a próxima Jornada Mundial da Juventude será no Panamá, em 2019.

Durante a homilia o Papa disse aos mais de um milhão e meio de jovens que a JMJ “continua amanhã, em casa, porque é lá que Jesus te quer encontrar a partir de agora. O Senhor não quer ficar apenas nesta bela cidade ou em belas recordações, mas deseja ir a tua casa, habitar a tua vida de cada dia”.

Desde já, a juventude da Igreja inicia a caminhada rumo a Jornada Mundial da Juventude no Panamá. As Jornadas que acontecem anualmente nas dioceses locais fará esse encontro mundial dos jovens, em 2019. Novamente a JMJ acontecerá num país da America Latina, já que em 2013, Papa Francisco vivenciou no Brasil sua primeira Jornada Mundial da Juventude como Sumo Pontífice.

Que Santa Maria La Antigua, padroeira do Panamá possa interceder junto a Deus, pela próxima JMJ e pelos jovens do mundo inteiro!

En route pour Cracovie! A caminho da Cracóvia!

Com um grupo de franceses de nossa Diocese de Grenoble-Vienne, partimos da França (de ônibus) no dia 17 de Junho, para atravessar a Europa. Fizemos três paradas: uma em Strasbourg, uma em Heilbronn e outra em Berlin. Em cada uma delas, pudemos provar e conhecer mais sobre a política e história da Europa.

Juventude Rainha da Paz a caminho da Cracóvia.

Chegamos na Polônia por volta de 1h da manhã do dia 19 e fizemos uma primeira parada em Torun, após dois dias de viagem no ônibus e noites mal dormidas, fomos recebidous com uma acolhida calorosa do povo polonês. Sorrisos largos, sopinha quente pra ajudar a aquecer (porque mesmo no verão a Polônia tem temperaturas baixas durante a noite) e, logo na chegada ao País da JMJ 2016, descobrimos que o frio polonês, a guerra e o Comunismo nunca esfriaram o coração dos poloneses, assim como nunca endureceu o coração de nosso querido e amado baluarte São João Paulo II.

Estar na Polônia e conviver com o povo polonês nos faz compreender melhor o coração de João Paulo II. A simpatia nas ruas, a bondade na acolhida, a generosidade, a cultura e a boa (muito boa!) comida polonesa apaixonaram corações brasileiros e franceses durante essa semana missionária.

Chegamos à Diocese de Olsztyn no mesmo dia 19. Olsztyn acolheu 3 dioceses francesas, um grupo russo, um alemão, um austríaco, e um grupo da Lituânia. Entre os dias 21 e 24 vivemos uma semana de oração, lazer e descoberta da região Norte da Polônia, conhecida como região dos lagos, e que belos Lagos!!

Conhecemos a cidade de Frombork, extremo norte da Polônia e conhecemos o mar Báltico. Houve mesmo quem se arriscasse a tomar banho nas águas geladas do mar que separa a Polônia de países como a Rússia, a Suécia , a Dinamarca, a Lituânia, a Estônia, etc… Deu frio só de pensar né? Para os menos corajosos como eu, nos contentamos em tirar nossos sapatos, colocar as calças em modo pescador e GO, C’EST PARTI, vamos à água molhar os pés!!

Entre dias ensolarados e noites frias vivemos momentos inesquecíveis ao lado de jovens poloneses voluntários que nos ajudaram a descobrir mais sobre nossa diocese em Olsztyn.

Pra terminar gostaria de fazer dois destaques, primeiro as famílias de acolhida. Fiquei hospedada em um família com dois filhos pequenos, com meu inglês à 30% , meu polonês à 3% (porque aprendi algumas palavrinhas), eu descobri que eles não pertenciam à mesma paróquia que havia nos acolhido. A paróquia deles acolheu uma outra diocese francesa, diocese de Clément, com 80 jovens. Perguntei então porque eu estava na casa deles já que meu grupo era de outra paróquia. E para a minha surpresa eles dizem: “Haviam muitas famílias querendo acolher e apenas 80 jovens, então nós pedimos na outra paróquia”. Dá pra entender melhor como esse povo aprendeu a dividir, a acolher? Como diria São João Paulo II, o amor lhes explicou tudo!!

Juventude Rainha da Paz a caminho da Cracóvia.

Outro destaque é o nosso grupo, Diocese de Grenoble-Vienne, 300 jovens que partiram em 4 ônibus e 19 carros, 7 padres, um diácono, uma religiosa e nosso querido Bispo Dom Guy, que nos acompanharam durante todo o percurso. Catequese nos ônibus e temas diários como Eucaristia, Missa, Confissão e Misericórdia, grupos de partilha e oração, transformaram nossa viagem em uma verdadeira peregrinação !

Me toca e impressiona a simplicidade de Dom Guy que fez a viagem no ônibus com os jovens, sentou na grama para fazer piquenique como todos nós, e quando o cansaço chegou, continuou o trajeto até Olsztyn com os jovens do Rallye (de carro). É muito bom ver a disponibilidade dos padres para confessar, tirar dúvidas, aconselhar e catequizar durante todos os dias da Semana Missionária.

Escrevo essa pequena partilha à caminho de Cracóvia, isso mesmo, estamos à caminho de Cracóvia, que grande alegria! A Polônia é um país católico!! Viva a Polônia!!!

Jamilly de Castro Rodrigues

Consagrada da Comunidade Católica Rainha da Paz

Missão França

Liberdade: em tudo escolher amar

Ser livre como os pássaros do céu. Disse o poeta, mais o que o poeta não disse é que até os pássaros são limitados”

Quero começar esse artigo perguntando a vocês meus queridos jovens, o que é a Liberdade? O que será ser Livre? Antes de responder quero levá-los a refletir. Em nossa cultura atual passeia pelos jovens um certo conceito de liberdade que não tem nada a ver com a verdadeira liberdade. Parece que ser livre é infligir todas as leis, será que é isso a Liberdade?
A verdadeira liberdade está ligada essencialmente a responsabilidade. Não posso dizer sou livre só porque faço o que quero, vou pra onde quero, não devo explicações a ninguém, isso é a maior ilusão de liberdade. Os jovens hoje tem essa ilusão, que ser livre é fazer o que der na telha, e por essa ideia quantos jovens se tornaram não livres e sim preços, escravos, se tornaram até sem dignidade, será mesmo que a liberdade é si destruir? Isso que a modernidade chama de liberdade na verdade é alto destruição.
O filósofo Paul Sartre disse “o homem está condenado a ser livre” mais na verdade não é uma condenação, e sim o homem sempre terá o direito à liberdade pois assim Deus quis, assim Deus criou o homem. Deus amou tanto o homem que deu a maior graça de todas, a Liberdade. “É um dom tão grande que até o próprio Deus se curva diante desse dom” (Santa Edith Stein)
A Liberdade real está no Bem, quanto mais eu realizo o bem, mais livre me torno, quanto mais escolho o meu bem e o bem do outro, quanto mais vou sendo livre. Porque ser livre é saber sempre escolher o bem do outro, é sempre escolher amar. Amar é o que torna o homem livre. Jesus Cristo foi o homem mais livre do mundo não porque desobedeceu todas as leis e regras, mais sim porque em tudo escolheu amar, mesmo condenado a morte escolheu amar seus acusadores, mesmo sendo injustiçado escolheu amar, tudo isso porque Jesus era verdadeiramente livre.
Por fim eu pergunto: vocês são livres de verdade? Se não está na hora de começar a ser. Deus já nos deu o dom agora é hora de voltar a escolher amar como Jesus. Pois só é livre realmente aquele que sabe em tudo escolher amar.

“Foi pra liberdade que Cristo nos libertou”
(Gal 5, 1)

Ramiro Monteiro Lourenço
Consagrado da Comunidade de Vida

Sou aquilo que Deus pensa de mim

Sempre que pensamos na atitude de Jesus de aceitar o convite de Levi(Mateus) para um banquete em sua casa, vemos como é que Deus nos olha. Diferente dos olhares das pessoas. A cidade achou um absurdo que Jesus se misturasse com pecadores e gente de má vida. Era essa a maneira como a cidade olhava para Levi. Aos olhos dos outros era um pecador e homem de má vida. Mas parece que Levi também começou a assimilar que ele era isso mesmo pois foi com espanto que se levantou imediatamente acolhendo o convite do Senhor para o banquete na sua casa. Nem ele mesmo acreditava que era digno. Mas Deus que vê o coração encontrou em Levi um homem perdido e sedento de Deus. Um homem generoso. Ele seria o nosso futuro evangelista Mateus. O mundo inteiro seria agraciado com seus escritos.
O que aprender de Deus então? Que Ele vê em nós a beleza que ninguém poderia ver. Que o que somos, nem nós sabemos. Mas ao conhecer Jesus, Ele revela aquilo que realmente somos.
Portanto, deixe-se libertar por todos os conceitos que fizeram de você, ou que você fez de você mesmo.
Você não é aquilo que dizem de você. Você não é aquilo que você mesmo pensa de você. Mas você é aquilo que Deus diz de Você. Basta escutar a sua voz de amor!

Tásia